sábado, 30 de agosto de 2008

Um pouquinho de musculação resolve...

Na minha vida, sempre ouvi muitos conselhos de como me virar em determinadas situações. Como não consigo fazer algumas coisas da mesma forma que as pessoas ´´normais´´(tenho dificuldades para me transfererir da cadeiras de rodas para a cama, por exemplo), muitas pessoas já deram o seu pitaco. ´´Pede pra sua mãe largar você no chão e deixar você rastejando no chão porque assim você fortalece os seus braços.´´ ou ´´Faz musculação porque assim você fica mais forte´´, são alguns dos conselhos que eu já ouvi na minha vida.

Claro que muitas pessoas deram o seu pitaco visando unicamente o meu bem-estar. Mas existem casos e casos. Eu, por exemplo, não posso fazer musculação e várias outras atividades físicas porque, como nasci prematuro, no sexto mês de gestação (aí está a causa da minha deficiência física), tenho espasticidade muscular, o que me impede de fazer muita força.

Mas, em compensação, pesssoas com outros tipos de deficiência podem realizar vários tipos de atividades físicas que outros não podem. Uma pessoa que se tornou paraplégica devido a um acidente pode praticar mais atividades físicas do que as pessoas que se enquadram no meu caso.

Confesso que não posso praticar algumas atividades que gostaria por causa disso. Mas durante muitos anos pratiquei uma atividade da qual gosto muito: natação. Não sou nenhum Clodoaldo Silva, claro. Porém, praticar natação fez muito bem para o meu corpo e também era altamente relaxante. Infelizmente a correria do dia-a-dia fez com que eu abandonasse o nado, mas espero retornar à esta atividade em breve.

Gostaria de deixar claro que tenho plenas condições de levar uma vida normal, fazendo as coisas que sempre quis fazer, como por exemplo, cursar a faculdade de jornalismo. Quero ainda praticar outros tipos de atividades físicas que sejam possíveis de serem realizadas por um deficiente, para assim manter aceso um dos objetivos da minha vida: viver uma vida como qualquer pessoa.

quinta-feira, 21 de agosto de 2008

Paraolimpíadas 2008

Os Jogos Paraolímpicos de Pequim terão início no dia 6 de setembro em cerimônia de abertura que será realizada no estádio Ninho de Passáro, o mesmo que foi utilizado como palco da cerimônia que deu início às Olímpiadas 2008, no dia 8 de agosto.

De acordo com o site Quadro de Medalhas (www.quadrodemedalhas.com/olimpiadas/jogos-olimpicos-pequim-2008/paraolimpiada-pequim-2008.htm), as modalidades que serão disputadas são:

• Arco e Flecha• Atletismo• Basquete em cadeira de rodas• Boccia• Ciclismo• Equitação• Esgrima em cadeira de rodas• Futebol de 5• Futebol de 7• Goalball• Judô• Halterofilismo• Natação• Remo• Rúgbi (Rugby) em cadeira de rodas• Tênis em cadeira de rodas• Tênis de mesa• Tiro• Vela• Vôlei

O Comitê Brasileiro Paraolímpico (CBP) divulgou em site (http://www.cpb.org.br/) a lista de atletas que irão disputar as Paraolímpiadas, entre elas, o nadador Clodoaldo Silva, que conquistou 6 medalhas de ouro nas Paraolimpíadas de Atenas em 2004. A delegação brasileira ainda conta com alguns profissionais, como fisioterapeutas e enfermeiros.

O Rodas Antenadas trará, se possível, todas as informações sobre os Jogos Paraolímpicos. Fiquem ligados.

sexta-feira, 1 de agosto de 2008

TV Senado

Ontem li no blog do ator Bruno Mazzeo (www.bloglog.com.br/brunomazzeo) um post chamado ´´TV Senado e você: nada a ver´´, que fala sobre a emissora estatal. O ator faz uma sátira inteligente com a programação da emissora, adaptando-a à nossa situação política atual. Programas femininos, infantis, telenovelas e muitos outros estão presentes na ´´grade de programação´´, que também conta com um elenco composto por políticos que vem atraindo a atenção da mídia há algum tempo.

É óbvio que Bruno Mazzeo escreveu este post em tom de brincadeira, utilizando-se de muito cinismo. Mas uma frase me chamou a atenção: ´´em tempos de luta acirrada por pontos no Ibope, por que a TV Senado não reage e substitui aqueles enfadonhos discursos por uma programação de nível, tentando fazer frente às grandes emissoras do país?´´ Concordo. Raramente assisto à TV Senado, principalmente no período da tarde, quando longos discursos de senadores tomam conta da programação. Na minha opinião, a emissora serve mais como um ´´refúgio´´ para as pessoas que não suportam a programação direcionada ao povão, principalmente nos finais de semana. A linguagem adotada pelo canal é muito elitizada, com programas de debates que não são de interesse da massa.

A TV Senado poderia ter uma programação mais popular. Não estou dizendo que ela deve exibir programas popularescos que mostram bundas, casos da ´´vida real´´ e exames de DNA. Ela poderia ter uma grade educacional voltada para as crianças no período da tarde, por exemplo. Poderia, também, dar mais espaço ao chamado ´´serviço de utilidade pública´´, que serviria para dar informações úteis à população e prestar contas sobre a utilização de todo o dinheiro arrecadado pela instituição, usando uma linguagem simples e direta, coisa que não é muito comum na emissora. E uma característica essencial que o canal deve ter: atingir à grande parte da população brasileira. Dou ênfase à isto pois aqui na minha casa só é possível assistir à TV Senado através da TV à cabo.

É inegável que a emissora estatal tem importância na sociedade, pois ela serve como fonte de informação para os meios de comunicação e, além disso, exibe documentários muito interessantes e dá espaço à cultura nacional. Mas mudar é importante. Tudo o que foi citado neste post já acontece há muito tempo. Mudando, quem sabe a TV Senado não ajude à educar as nossas crianças e à informar a nossa população?